Reflexão sobres o sistema de Equipas PFBB

As questões mais frequentes relacionadas com este tema são:

É necessário ter uma equipa para poder competir? Não.

Qual a utilidade de uma equipa? Identificar e reconhecer os que trabalham em grupos Organizados.

Se competir individualmente posso ser prejudicado? Não, os Juízes não têm forma de identificar cada Atleta em cima do palco

A decisão de registar as equipas, surgiu no congresso de 2016 a titulo experimental, a ideia seria por ordem no caos que se estava a criar devido ao rápido crescimento do número de Competidores e aparecimento de vários grupos intitulando-se de team. Foi então decidido que cada equipa disponibilizava pelo menos um Oficial para receber formação da PFBB, e assim puder colaborar na organização das competições, para além de organizar, informar e inscrever todos os seus Competidores, assim como zelar pelo bem estar físico e psicológico dos seus Atletas.

 Após o congresso e nos meses que antecederam os Campeonatos Regionais e Nacional, várias Equipas foram registadas. A PFBB, fez o que se tinha comprometido, organizou um Seminário de Arbitragem, os desenvolvimentos até aos Campeonatos regionais e Nacional foram razoavelmente positivos, dando a ideia que tínhamos encontrado uma solução organizativa interessante. Infelizmente após o Nacional de 2016, o que parecia uma boa ideia tornou-se um tormento. Em cada dia nasciam novas equipas com publicidades cada vez mais bombásticas muitas vezes ofertas de serviços que colidiam com a atual legislação Portuguesa, então passámos a receber queixas quase diárias de Atletas e até de entidades que se sentiam lesadas por atitudes ou ofertas das Equipas da PFBB. Por esse motivo retirámos da nossa página a listagem das equipas registadas. Tendo sido inclusive ponderada a possibilidades de terminar com o sistema de equipas.

Em 2017, apesar de não terminarmos com o sistema de equipas, por considerar que seria muito injusto para os que cumpriram e até se esforçaram para melhorar o inicialmente estipulado, fizemos alterações que restringem o registro de Equipas. A maioria dos Associados continuará a ser Individual. O Competidor individual sempre esteve em maioria e provavelmente continuará por vários anos, apesar disso não quer dizer que não possam existir equipas se isso for sinónimo de organização, com baze no conhecimento.

Quanto aos requisitos para constituir uma equipa, podemos dividir em duas partes: uma diz respeito aos requisitos exigidos por lei para desempenhar determinas fusões, neste caso vamos ser razoavelmente tolerantes para com as Equipas que já existem e demostrem vontade de se adaptar. A outra parte que diz respeito à organização e Oficial IFBB, vamos ter tolerância 0. Uma equipa sem organização não passa de um grupo de pessoas, com alguém a tentar promover o seu nome ou marca, para isso também criamos uma solução, mas não se chama equipa, neste caso os Atletas continuam a inscrever-se e a contactar-nos com individuais. É mais seguro e menos confuso no dia das Competições. Quanto ao Oficial não vamos aceitar em hipótese alguma Equipas sem terem pelo menos um elemento com conhecimento profundo das regras e organização das Competições.

Se alguém pensa que terminar com as Equipas seria solução para acabar com o relacionamento entre Atletas e Juízes, só pode ser muito limitado ou ingénuo, quanto melhor for conhecido o relacionamento pessoal ou profissional entre todos os intervenientes, mais fácil é evitar “jogo sujo”.

Em breve vou escrever um outro artigo dedicado à Arbitragem da IFBB, onde vou tentar explicar o quanto é difícil alguém adulterar os resultados, não quer dizer que não o tentem, só que normalmente são detetados muito rapidamente (grande parte das vezes retiram-se ”por não concordarem com algo”).